Movimento tropicália: Brasil, e agora quê?

Tropicália ou Tropicalismo foi um movimento cultural brasil que misturou manifestações tradicionais da cultura brasileira e inovações estéticas radicais rompendo assim as regras culturais vigentes. Os seus maiores representantes foram Caetano Veloso e Gilberto Gil.

Ao som da Bossa-Nova de Tom Jobim e Vinicius de Moraes criada na década de 50, foram acrescentados os ritmos psicadélicos da estética rock americana e o rigor erudito da tradição clássica, para revolucionarem as potencialidades da Música Popular Brasileira (MPB), projectando o Brasil no caminho da modernidade artística.

O país vivia sob uma ditadura militar desde 1964 que restringia forma de expressão artística inovadora e livre. Os  os jovens músicos fundadores da Tropicália surgem no sentido de agitar comportamentos convencionais e celebrar a diversidade de uma cultura riquíssima em referências.

Com uma estética irreverente para a época, instrumentos como a guitarra eléctrica, o violino e o berimbau e o uso da paródia, da ironia e do excesso, os músicos romperam em cena determinados a questionar a autoridade e a censura, dando simultâneamente passo a uma carreira memorável.

O início do Tropicalismo

A televisão relevou-se como o meio mais eficaz para a  promoção e divulgação do trabalho destes artistas. Em 1967, no III Festival de Música Popular Brasileira realizado em São Paulo e exibido pela TV Record, Caetano Veloso – com o tema Alegria, Alegria– e Gilberto Gil acompanhado pelo grupo Os Mutantes – interpretando Domingo no Parque– protagonizavam aqueles que são considerados os hinos fundadores do movimento tropicalista.

No ano seguinte, em 1968, foi  lançado o álbum Tropicália ou Panis et Circencis, o manifesto poderoso e arrojado de Caetano, Gilberto Gil, Gal Costa, Nara Leão, Tom Zé e dos poetas Capinam e Torquato Neto para a viragem radical da música popular brasileira, considerado pela revista Rolling Stone Brasil o segundo melhor disco de sempre da História da música brasileira.

Presos inúmeras vezes e impedidos de dar entrevistas ou actuar em concertos, Caetano e Gi acabrm por se exilar em Londres entre 1969 e 1971, só regressando ao Brasil no ano seguinte. Com o colectivo desfalcado, Gal Costa viria a assumir a liderança da segunda fase do movimento, marcado agora por um sentimento de abandono, derrota e desilusão.

Deixamos aqui a nossa sugestão para aprender português ao som da tropicália e analisando as suas letras.

Lista de canções:

Bat Macumba – Os Mutantes (1969)

Alegria Alegria – Caetano Veloso (1967)

Domingo no Parque – Gilberto Gil e Os mutantes (1967) 

Tropicália – Caetano Veloso
Superbacana – Caetano Veloso
Soy Loco Por Ti América (Gilberto Gil/ Capinam) – Caetano Veloso
Marginália 2 (Gilberto Gil/ Torquato Neto) – Gilberto Gil
Panis et Circensis (Gilberto Gil/ Caetano Veloso) – Mutantes
Miserere Nobis (Gilberto Gil/ Capinam) – Gilberto Gil e Mutantes
Lindonéia (Gilberto Gil/ Caetano Veloso) – Nara Leão
Parque Industrial (Tom Zé) – Tom Zé
Geléia Geral (Gilberto Gil/ Torquato Neto) – Gilberto Gil
Baby (Caetano Veloso) – Gal Costa e Caetano Veloso
Enquanto Seu Lobo Não Vem (Caetano Veloso) – Caetano Veloso
Mamãe, Coragem (Caetano Veloso/ Torquato Neto) – Gal Costa
Saudosismo – Caetano Veloso
É Proibido Proibir, versão integral, com discurso (Caetano Veloso) – Caetano Veloso
Não Identificado (Caetano Veloso) – Gal Costa
Divino, Maravilhoso (Gilberto Gil e Caetano Veloso) – Gal Costa
2001 (Rita Lee/ Tom Zé) – Mutantes
São São Paulo (Tom Zé) – Tom Zé